quinta-feira, 27 de novembro de 2014

Um muro invisível contra radiação

Um campo de força invisível e impenetrável, a cerca de 11 mil km da superfície da Terra, protege nosso planeta de doses letais de radiação. A descoberta surpreendente e até agora inexplicada foi feita por uma dupla de satélites da Nasa e reportada na edição de hoje da revista científica britânica “Nature”.

Lançadas em 2012, as Van Allen Probes tinham por principal objetivo estudar os chamados cinturões de Van Allen, dois anéis de radiação concentrada produzidos pela interação do campo magnético da Terra com a torrente de partículas carregadas emanada constantemente do Sol.
Os cinturões, aliás, foram a primeira descoberta da era espacial, feita em 1958 pelo cientista americano James Van Allen, da Universidade de Iowa, com dados colhidos pelo primeiro satélite ianque, o Explorer-1. A ambição original do pesquisador era estudar raios cósmicos, mas o satélite acabou fazendo a detecção de uma concentração anormal de partículas.
Originalmente foram detectados dois cinturões: um mais baixo, entre 60 e 10 mil km de altitude, concentra prótons de alta energia, e outro mais distante, entre 13,5 mil e 57,6 mil km de altitude, agrupa elétrons de alta energia.
A nova surpresa só foi possível agora, graças aos instrumentos mais sofisticados já usados para explorar o ambiente dos cinturões. Os cientistas liderados por Dan Baker, ex-aluno do próprio Van Allen e pesquisador da Universidade do Colorado em Boulder, perceberam que todos os elétrons com os níveis mais altos de energia, que viajam em velocidades próximas à da luz, eram barrados um pouco acima do primeiro dos cinturões. Nenhum deles conseguia passar a barreira dos 11 mil km.
Ainda bem para nós, pois essa seria uma radiação nociva, se chegasse à superfície da Terra. Mas a surpresa é que o bloqueio abrupto observado contraria a expectativa original dos pesquisadres. Eles imaginavam que esses elétrons fossem detidos gradualmente pela atmosfera terrestre, conforme aconteciam colisões entre eles e as moléculas de ar. Uma barreira distinta a 11 mil km é totalmente incompatível com essa premissa.
“É quase como se esses elétrons estivessem trombando com uma parede de vidro no espaço”, disse Baker, em nota. “É um fenômeno extremamente intrigante.”
MISTÉRIO
Os cientistas ainda não têm uma explicação clara do que daria origem à barreira, mas o campo magnético da Terra parece não ter nada a ver com isso. Para descartar essa hipótese, eles estudaram com especial atenção o comportamento dos elétrons sobre o Atlântico Sul. Por alguma razão pouco compreendida, o campo magnético do planeta é mais fraco naquela região — tanto que os cinturões de Van Allen chegam um pouco mais perto da superfície por ali. Se a barreira invisível fosse causada pelo magnetismo terrestre, seria natural que os elétrons conseguissem maior penetração por ali. Mas não. Mesmo naquele ponto o fim da linha é ao redor dos 11 mil km.
Por enquanto, a melhor ideia com que Baker e seus colegas conseguiram se sair é a de que as poucas moléculas gasosas presentes àquela altitude formam um gás ionizado chamado de plasmasfera, que por sua vez emite ondas eletromagnéticas de baixa frequência. Seriam elas as responsáveis por rebater os elétrons altamente energéticos.
Como testar a hipótese? O segredo é continuar monitorando os cinturões, em busca de novas pistas do mistério. E é exatamente o que as Van Allen Probes vão fazer. Uma das descobertas já realizadas pelos satélites é que, durante momentos de grande atividade solar, os dois cinturões se desdobram em três. Recentemente, os pesquisadores envolvidos com a sonda desenvolveram software para apresentar as condições daquela região do espaço praticamente em tempo real, o que facilita o acompanhamento dinâmico dos cinturões.
A compreensão desses fenômenos é fundamental para proteger nossos satélites em órbita, que podem ser danificados pela radiação concentrada dos cinturões. E também é importante para garantir a saúde dos astronautas que porventura viajem além da órbita terrestre baixa. Os tripulantes das missões Apollo, que visitaram as imediações da Lua entre 1968 e 1972, tiveram de atravessar os cinturões.
Como a travessia foi feita rapidamente, em cerca de 30 minutos, isso não afetou de forma adversa os intrépidos viajantes espaciais. Um fenômeno curioso, contudo, é que muitos deles reportaram a visualização de flashes luminosos durante a travessia. E eles viam isso até quando estavam com os olhos fechados. As tais “visões” eram resultado de partículas energéticas do cinturão colidindo diretamente em células da retina.

Fonte: UOL

Nota. Para os cientistas evolucionistas isto é mais uma consequência do acaso. Uma estrutura poderosa disposta em torno da Terra para nos proteger de irradiações perigosas é a mais recente descoberta sobre a mega engenharia que ampara a vida neste planeta. Observando a conjuntura de fatores necessários para a manutenção da vida, podemos dizer que nosso planeta foi minunciosamente preparado para tal propósito. O  grande Criador, o único Deus, foi o autor desta vasta obra. Louvado seja!

terça-feira, 25 de novembro de 2014

Pornografia na internet faz mal para você?

Pornografia ainda é um tabu? Alguns diriam que está deixando de ser. As mudanças culturais no Ocidente têm diminuído a ideia de “depravação” que por muito tempo esteve relacionada ao segmento, fazendo com que as pessoas se sintam menos constrangidas com sua sexualidade — às vezes até admitindo consumir pornografia. E a internet está cheia dela. A cada 39 minutos um vídeo pornográfico é gravado nos Estados Unidos, a cada segundo mais de 28 mil pessoas assistem à pornografia e há mais de 4 milhões de sites pornográficos no ar — 12% de toda a web. Estima-se que 42,7% dos usuários da internet acessem pornografia — sem contar os 34% dos usuários comuns que recebem conteúdo pornográfico indesejado. Os dizeres antigos sugeriam que consumir esse tipo de mídia “fazia mal”, “provocava o crescimento de pelos nas mãos” e coisas do gênero. Hoje em dia, com a informação ao alcance de todos, sabemos que a pornografia é algo “natural”, que se trata “uma forma de cada um explorar saudavelmente sua própria sexualidade”... Certo? Bom, talvez não seja bem assim.
Antes da explosão da internet, era difícil que um adolescente, por exemplo, tivesse acesso à pornografia. Revistas adultas não eram vendidas para menores e todo o tipo de material era pago. Atualmente, é possível que qualquer um tenha em seu navegador centenas de vídeos pornográficos em questão de segundos — e de graça. Acontece que essa “facilidade” pode trazer grandes problemas.
Uma pesquisa publicada no The Telegraph em setembro de 2013 entrevistou 177 garotos com idades entre 16 e 20 anos na University of East London e descobriu que quase um quarto deles dependia de pornografia para ser estimulado sexualmente. 23% dos entrevistados disseram que tentaram parar de assistir à pornografia, mas que não conseguiam — 13% disseram que o hábito estava se tornando “mais extremo” com o tempo e 7% precisaram recorrer a ajuda profissional.
“Cerca de um quarto dos jovens tentou parar de usar e não conseguiu. Isso significa que há definitivamente um uso problemático de pornografia nesse grupo”, disse a psicóloga Dra. Amanda Roberts, responsável pela pesquisa.
“E isso é porque há cada vez mais exposição à pornografia, e é excessiva”, explicou. “É uma coisa que está danificando a autoestima deles, porque eles não se parecem com o que veem e então começam a esperar que as garotas se pareçam e ajam como estrelas pornô. Eles se sentem inadequados e a maioria diz que já se sentiu confuso e com raiva porque não conseguia parar.”
No mesmo estudo, 80% das garotas da mesma idade — 16 a 20 anos — também viam pornografia. 8% delas disseram que não conseguiam parar de ver e 10% falaram que progressivamente buscavam por material mais extremo.
Segundo o professor Matt Field, psicólogo especialista em vícios de adolescentes na Universidade de Liverpool, adolescentes têm maior tendência a desenvolver vícios, e isso ocorre pelo modo com que seus cérebros se desenvolvem. Neurologicamente, a parte responsável pelo controle não amadurece até a idade dos vinte e poucos anos.
Pornografia é um tabu? Alguns diriam que sim. Sabemos que ainda é difícil que o tema seja discutido de forma séria e sem constrangimentos nos colégios, pelo Ministério da Saúde e pelos próprios pais em casa. Na questão educacional, a preocupação vem principalmente do fato de a pornografia ser algo banalizado — ela está em todo lugar.
Alguns estudos sugerem que os males atingem não apenas os jovens. Uma pesquisa feita no Instituto Max Planck, de Berlim, coletou dados de 64 homens saudáveis com idades entre 21 e 45 anos e questionou seus hábitos com pornografia. Aqueles que diziam passar muito tempo vendo pornografia possuíam menos atividade em regiões do cérebro ligadas à recompensa e motivação.
“Nós descobrimos que o volume do chamado corpo estriado — uma parte do cérebro que tem sido ligada ao processo de recompensa e comportamento motivado — era menor, de acordo com o consumo de pornografia informado pelos participantes”, disse Simone Kuhn, líder do estudo. “Além disso, descobrimos que outra região do cérebro, que também é parte do corpo estriado e que está ativa quando as pessoas veem algum estímulo sexual, exibia menos ativação de acordo com a quantidade de pornografia consumida.”
Nos Estados Unidos, a situação parece estar um pouco fora de controle, fazendo com que várias militâncias se movimentem, vendo o hábito de consumo pornográfico como uma situação de crise pública — e não estamos nem falando de instituições religiosas. “A pornografia é hoje a forma mais vulgarizada de educação sexual. Os estudos mostram que a idade média com que um americano é exposto pela primeira vez a imagens pornográficas é entre 11 e 14 anos e, acredite, não estamos falando da ‘Playboy do Papai’”, diz Gail Dines, professora de sociologia e de estudos femininos na Wheelock College de Boston e autora do livro Pornland.
Gail escreve que se deve educar as pessoas sobre como a pornografia de hoje realmente é e acabar com qualquer noção de que se trata de um estímulo benigno. “Hoje estamos trazendo uma geração de garotos a um tipo de pornografia cruel e violenta. E sabendo como imagens afetam as pessoas, isso vai trazer uma profunda influência em sua sexualidade, comportamento e atitudes em relação às mulheres.”
Dines crê que a cultura da pornografia não afeta somente os homens, mas também muda o jeito como as garotas e mulheres pensam sobre seus corpos, sua sexualidade e seus relacionamentos. “Quanto mais as imagens pornográficas entram em nossa cultura comum, mais as garotas e mulheres são diminuídas de seu status humano e reduzidas a objetos sexuais.”
Donny Pauling, que trabalhou como produtor de filmes adultos por anos, saiu do ramo em 2006 e conta que presenciou os males da pornografia nas mulheres que eram filmadas. Ele diz não acreditar em discursos de estrelas pornô sobre como são elas que cuidam de seus próprios destinos. “Recrutei mais de 500 garotas para esse setor e nenhuma voltou para me agradecer.”
Em um estudo que realizou em 1986, o professor de psicologia Neil Malamuth chegou à conclusão de que, se um homem já é sexualmente agressivo e consome pornografia sexualmente agressiva, há grandes chances de que ele cometa um ato sexualmente agressivo.
Aparentemente, essa pesquisa tem sido usada por muitos militantes antipornografia, mas o próprio Malamuth diz que a coisa é um pouco mais complexa e compara o conteúdo pornográfico com o álcool. “Para algumas pessoas, o álcool simplesmente tem o efeito de deixá-las mais relaxadas, permitindo que elas se divirtam mais”, explica. “Para outras pessoas, o álcool pode aumentar a probabilidade de que se comportem de forma violenta. Mas se eu simplesmente faço a generalização de que o álcool causa a violência ou leva à violência, você provavelmente diria que isso é ignorar uma série de detalhes.”
“É muito fácil, se você quer apoiar um lado ou outro, usar um estudo específico”, comenta o professor de telecomunicações da Universidade de Indiana Paul Wright, especialista em sexo na mídia. “Qualquer um pode apoiar um lado simplesmente isolando um estudo em especial e falando dele.”
Outro psicólogo, Chris Ferguson, da Universidade Texa A&M, é um estudioso da relação entre mídia e comportamento violento e questiona se os resultados desses testes realmente se aplicariam na vida real. Mas obviamente, na vida real, os pesquisadores não teriam como controlar experimentos relacionados à pornografia.
Alguns estudiosos acreditam que haja um fator catártico na masturbação — quase sempre a parte na qual sempre culmina o consumo de pornografia. Porém, também não há provas conclusivas disso, apenas uma dedução baseada na observação da queda do índice de violência sexual em países que “descriminalizaram” a pornografia.
A relação entre pornografia e violência sexual tem alguma sustentação principalmente por causa de questões preocupantes — e inegáveis — ligadas ao assunto. Dois exemplos são as condições de trabalho dos atores pornográficos e a implícita pressão social de que as mulheres precisam se parecer com o arquétipo de uma atriz pornô: corpos esculturais, sexualmente insaciáveis e submissas à vontade de qualquer homem que queira fazer sexo com elas.
Apesar disso, alguns pesquisadores permaneceram estudando sobre esse tipo de mídia, acreditando que possa haver aspectos positivos nela. Malamuth diz que os experimentos têm mostrado que os consumidores de pornografia a veem como uma dádiva.
Vários estudos apontam males no uso de pornografia, mas eles são circunstanciais ou carecem de mais provas. Da mesma forma, a ala de pesquisadores que percebem um potencial positivo nesse tipo de consumo também parece não possuir evidências categóricas de seus benefícios.
Exceto pelo caso dos adolescentes, ainda não há uma resposta definitiva para a pergunta que intitula essa discussão. O assunto da pornografia envolve questões de ordem biológica, psicológica e social, e precisa de muito mais análise por parte das disciplinas científicas envolvidas para que possamos dizer de forma conclusiva se ela é ou não prejudicial para a saúde física e mental de todos os usuários.
Nota. O sexo que corresponde as necessidades humanas de carinho e afetividade não tem nada a ver com o que é veiculado pela pornografia. Aqueles que pensam que a sexualidade humana é algo vulgar estão redondamente enganados.  "A espiritualização da sensualidade, é o amor" _ F. Nietzsche.
"O crescimento espiritual passa necessariamente pela sexualidade. Mas não me pergunte como" _ Gandhi.

segunda-feira, 24 de novembro de 2014

Excluir carne da dieta pode curar diabetes, diz estudo

Adotar uma dieta vegetariana pode ajudar os diabéticos a reverter a doença. De acordo com um novo estudo divulgado pelo site do jornal britânico Daily Mail, as pessoas que lutam contra a doença podem melhorar os níveis de açúcar do sangue apenas tirando a carne da sua alimentação diária.

Cientistas da Faculdade de Medicina e Ciência da Saúde da Universidade George Washington acreditam que o fato de remover a gordura animal pode curar de vez a condição. Eles afirmam que a mudança de dieta pode ser uma alternativa de tratamento para diabetes do tipo 2.

A análise de estudos anteriores mostrou também que o fato de remover este tipo de gordura da dieta ajuda a melhorar a sensibilidade à insulina. Já uma alimentação baseada em vegetais reduz uma proteína importante, a HbA1c. Em diabéticos, quanto maior esta proteína no sangue, maior o risco de complicações relacionadas à doença.

O estudo feito com veganos ou vegetarianos mostrou que a dieta diminuiu o HbA1c de forma equivalente aos efeitos causados por medicamentos de controle para pessoas com diabéticos.
Segundo Susan Levin, uma das autoras do estudo, uma dieta baseada em vegetais melhora o açúcar do sangue, o peso corporal, pressão, colesterol, tudo ao mesmo tempo, “algo que uma droga não pode fazer”.
Os especialistas afirmam que trata-se de um tratamento fácil de se seguir, eliminando a rotina tediosa de se tomar medicamentos e injetar insulina.
Ao redor do mundo, 347 milhões de pessoas sofrem de diabetes, de acordo com a Organização Mundial de Saúde. Eles preveem que, até 2030, esta será a sétima principal causa de morte.

Fonte: Terra Saúde

quinta-feira, 13 de novembro de 2014

Evolucionistas não entendem a origem da vida

O doutor James Tour é um renomado professor de química da Universidade Rice. Ele publicou mais de 500 pesquisas nos últimos 30 anos. É considerado um dos “50 cientistas mais influentes do mundo atual”. Tem o seu nome em 36 patentes, sendo um dos dez químicos mais citados do mundo. Acumula prêmios da Sociedade Química Americana, Thomson Reuters, Honda, NASA, entre outros.
Tour relata que tem longa experiência no estudo da origem da vida. “Como cientista e químico sintético posso dizer que se alguém devia entender a evolução, seria eu, pois faço moléculas para ganhar a vida… Eu sei como é difícil fazer moléculas.” Mesmo assim, “Eu não entendo a evolução, e vou confessar para você”.
Para o doutor, ninguém realmente entende como a vida pode ter surgido de processos naturais e não guiados. Relata ainda que já conversou sobre o assunto inclusive com vencedores de prêmios Nobel. “Eu sentei com eles, e quando estávamos sós, não em público – pois é uma coisa apavorante de se admitir”.
Em sua opinião, os evolucionistas são “coletivamente desnorteados” pela origem da vida. Por isso, Tour e outros 900 cientistas assinaram uma Dissenção Científica do Darwinismo, onde declaram: “Somos céticos quanto às reinvindicações de que a habilidade de mutações aleatórias e a seleção natural para justificar a complexidade da vida. Encorajamos exames cuidadosos das evidências da teoria darwinista”.
Contudo ele faz uma ressalva, uma distinção importante entre microevolução e macroevolução. Enquanto a primeira é claramente observável e repetível, a segunda jamais foi testemunhada.
“A microevolução é um fato. Podemos vê-la ao nosso redor nas pequenas mudanças entre as espécies. Os biólogos diariamente demonstram esse procedimento nos seus laboratórios. Portanto, não há argumentos contra a microevolução… Mas o centro do debate, é a extrapolação da microevolução para a macroevolução”
Questionado então sobre qual seria então a origem da vida, ele afirma com veemência: “Eu creio fundamentalmente que Deus criou a todos nós”.

Fonte: Gospel Prime

Nota. Está ficando claro que é impossível o surgimento da vida por meios naturais. Isto é um tiro fatal contra o ateísmo. Com o avanço da ciência se esperava que esta possibilidade fosse verificada mais facilmente, no entanto tem ocorrido o oposto. Cada vez mais a ciência reconhece a dificuldade de descrever a vida como resultado de meros acasos ou fato espontâneo.

terça-feira, 28 de outubro de 2014

Papa reconhece Teoria do Big Bang e da evolução



De acordo com o “The Independent”, o Papa Francisco afirmou que as teorias científicas do Big Bang e da evolução estão corretas. Enquanto que a primeira explica a origem do Universo através de uma grande explosão que, por sua vez, criou as galáxias, sistemas solares e planetas, a segunda teoria explica como o homem evoluiu de um animal de quatro patas para dois, vindo de uma espécie semelhante ao macaco.
Apesar de confirmar essas teorias, que na comunidade científica e teológica, são uma forma de desacreditar a existência de Deus, o Papa Francisco não acredita que as dois lados sejam incompatíveis. Para o líder da Igreja Católica, a teoria do Big Bang e da evolução humana não afastam a possibilidade de um Criador, refere a Folha de São Paulo.
“Quando lemos sobre a criação no Gênesis, corremos o risco de imaginar que Deus era um mágico com uma varinha capaz de fazer tudo. Mas não é isso”, disse o Papa. Falando sobre a teoria do Big Bang, ele diz que a explosão pressupõe a existência de uma entidade que a originou.
Sobre a evolução humana, o líder do Vaticano afirmou que, independentemente da forma como os humanos eram no início, tiveram que ser criados. “Deus criou os seres humanos e permitiu que se desenvolvessem de acordo com leis internas que deu a cada um para que alcancem sua realização”, falou Francisco.

Nota. Desde os tempos de Galileu, que o Vaticano vem se posicionando de forma equivocada sobre assuntos de ciência. Naquele tempo combateu a verdadeira ciência, hoje promove a pseudociência. O que pode ser comprovado  é a microevolução das espécies, ou seja, a capacidade dos seres vivos alterarem  algumas características para se adaptarem ao ambiente. Não há como comprovar toda a diversidade de seres vivos a partir de um ancestral comum. Contrariamente a isto as pesquisas arqueológicas mostram que no período Cambriano houve uma explosão de novas espécies na coluna geológica. Isto é surpreendente, já que a dinâmica evolutiva pressupõe uma gradual e lenta mudança nas espécies. 
        Por outro lado esta visão evolutiva teísta choca-se frontalmente com o Cristianismo, pois se Adão foi fruto de uma evolução gradativa de milhares de outras gerações anteriores a ele, a questão do pecado perde sua relevância bem como o sacrifício de Cristo na cruz.
        Na verdade esta é uma maneira inconsequente de harmonizar a Bíblia à supostas teorias científicas. O Vaticano, como a grande Babilônia do Apocalipse, faz uma obra de sincretismo religioso de forma a misturar inescrupulosamente todo tipo de crença, tradição, pseudociência e superstição num grande arcabouço de mentiras e enganos.

terça-feira, 21 de outubro de 2014

O perigo das ideologias de esquerda


Vou elencar aqui as principais questões que considero negativas:

1 - A matriz ateísta dos partidos de esquerda vê os valores cristãos como uma forma de expressão da sociedade burguesa. As noções de pecado são para eles uma forma de manipulação do proletariado por parte dos que detém o capital. Resumindo: a religião é apenas um conjunto de supertições para controle das massas pela classe dominante.

2 - Dentro deste escopo a familia natural conforme apresentada na Bíblia e mantida pela tradição é um legado deste sistema manipulador do capitalismo. Na visão dos ideólogos do comunismo/socialismo, tudo é propriedade do Estado, inclusive os filhos, que devem serem desde cedo educados ou formatados ideológicamente para servirem ao Estado. Na visão cristã os filhos são propriedade sagrada da família, os quais devem ser educados pelos pais. A prostituição, segundo o marxicismo, é resultado do capitalismo, que só pode ser  eliminada com a adoção do sexo livre  e com  o fim da forma tradicional de família.
No Livro A origem da família, da propriedade privada e do Estado, de Friedrich Engel está escrito:



A família individual moderna está baseada na escravidão doméstica, transparente ou dissimulada, da mulher, e a sociedade moderna é uma massa cujas moléculas são compostas exclusivamente por famílias individuais. Hoje em dia é o homem que, na maioria dos casos, tem de ser o suporte, o sustento da família, pelo menos nas classes possuidoras, e isso lhe dá uma posição de dominador que não precisa de nenhum privilégio legal específico. Na família, o homem é o burguês e a mulher representa o proletário. [...].


“Quando os meios de produção passarem a ser propriedade comum, a família individual deixará de ser a unidade econômica da sociedade. A economia doméstica converter-se-á em indústria social. O tratamento e a educação das crianças passarão a ser uma questão pública. A sociedade cuidará, com o mesmo empenho, de todos os filhos, sejam legítimos ou ilegítimos. Desaparecerá, desse modo, o temor das ‘consequências’ que é hoje o mais importante fator social, tanto do ponto de vista moral como do ponto de vista econômico, o que impede uma jovem solteira de se entregar livremente ao homem que ama. Não será isso suficiente para que apareçam gradualmente relações sexuais mais livres e também para que a opinião pública se torne menos rigorosa quanto à honra da virgindade e à desonra das mulheres? E, finalmente, não vimos que no mundo moderno, a prostituição e a monogamia, ainda que antagônicas, são inseparáveis, como polos de uma mesma ordem social? Pode a prostituição desaparecer sem arrastar consigo, na queda, a monogamia?” (Engels, A origem da família, da propriedade privada e do Estado. São Paulo: Escala Educacional, 2009, p. 69-74).

3. Outro motivo pelo qual me oponho à ideologia esquerdista é a noção de que a propriedade privada seja uma usurpação do direito de todos sobre a terra e sobre seus frutos.
“O primeiro que tendo cercado um terreno, se lembrou de dizer: Isto é meu, e encontrou pessoas bastante simples para acreditar, foi o verdadeiro fundador da sociedade civil. Quantos crimes, guerras, assassínios, misérias e horrores não teria poupado ao gênero humano aquele que, arrancando as estacas ou tapando os buracos, tivesse gritado aos semelhantes: ‘Livrai-vos de escutar este impostor; estareis perdidos se esquecerdes que os frutos são de todos, e a terra de ninguém!’” (Jean Jacques Rousseau, Discurso sobre a origem da desigualdade, 1754, p. 91. Edição Ridendo Castigat Mores. Fonte digital: www.jahr.org).
4. O conceito de democracia na visão esquerdista tende oprimir as minorias em nome de uma nova engenharia social que elimine as classes. Alegando agir em nome da coletividade o Estado passa a ser o  regulador supremo, interferindo em questões individuais, mesmo que envolva consciência e crença.
 “Se o liberalismo afirma teoricamente o pluralismo e mistifica/oculta a hegemonia, se o totalitarismo absolutiza a dominação e reprime o pluralismo, a democracia de massas funda sua especificidade na articulação do pluralismo com a hegemonia, na luta pela unidade na diversidade dos sujeitos políticos coletivos autônomos. Por outro lado, não se deve esquecer - se quisermos pensar a longo prazo - que a apropriação social da política é, em última instancia, sinônimo de extinção do Estado, ou seja, de extinção dos aparelhos de dominação enquanto aparelhos apropriados individualmente e postos aparentemente ‘acima’ da sociedade. É nesse sentido que cabe entender a lúcida observação de Gramsci, segundo a qual a ‘sociedade regulada’ (sem classes) é aquela na qual o Estado será absorvido pelos organismos autogeridos da ‘sociedade civil’. Podemos concluir esse rápido esboço afirmando que a relação da democracia socialista com a democracia liberal é uma relação de superação dialética (Aufhebung): a primeira elimina, conserva e eleva a nível superior as conquistas da segunda."1 

Esta é uma rápida análise do que é a ideologia de esquerda. Temos que estar bem conscientes ao fazer nossas escolhas políticas através da eleição, para que no futuro não venhamos  a sofrer os resultados destas escolhas.


1. COUTINHO, Carlos Nelson. “A Democracia como Valor Universal” in A democracia como valor universal e outros ensaios. 2ª ed. ampliada. Salamandra: Rio de Janeiro, 1984, p. 35, 44, 45.

2014 o ano mais quente da história

O mês de agosto bateu recordes de temperatura levando-se em conta a média entre as superfícies terrestres e oceânicas do planeta, de acordo com a Administração Oceânica e Atmosférica Nacional (NOAA, na sigla em inglês). No cálculo de junho a agosto deste ano, a média das temperaturas foi 0.71°C maior do que a média do séculoXX, fazendo esse período de 2014 o mais quente desde o início dos registros, em 1880.

Apesar de o planeta não ter vivido um pico de aquecimento como em 1998, quando o fenômeno El ninõ esquentou as águas, a média entre junho e agosto deste ano deixa claro que a temperatura na Terra continua aumentando.
Alguns dos locais mais quentes em agosto deste ano foram na Ásia Ocidental, Oeste da Austrália e em partes do Sul da América do Sul. Enquanto isso, outros pontos de todo o mundo experimentaram temperaturas mais baixas do que na média, incluindo nesse grupo o Leste dos EUA, Europa Ocidental e Austrália Central.
De acordo com entidades de monitoramento do clima, 2014 está a caminho de se tornar o ano mais quente já registrado, se mantiver a média de aumeto de temperatura registrada nos primeiros oito meses deste ano. Enquanto isso, a extensão do gelo marinho do Ártico - que sempre atinge um mínimo para o ano em torno deste período - continua bem abaixo da média de 1980-2010.

Fonte: O Globo


O cristão e a masturbação


sexta-feira, 3 de outubro de 2014

Stephen Hawking causa euforia ao questionar ideia de que Deus criou o universo

       O físico Stephen Hawking causou euforia ao defender mais uma vez suas explicações ateístas para o Big Bang, durante palestra no Festival Starmus, em Tenerife, nas Ilhas Canárias. Ao questionar teorias vigentes e dizer que “Deus não é suficiente para explicar o surgimento do universo”, Hawking foi ovacionado à semelhança de uma estrela de rock.

       Em sua famosa cadeira de rodas, projetada por ele próprio, Hawking começou a conferência instigando o público a pensar além do Big Bang. “É necessário um criador para explicar como o universo começou? Ou o estado inicial do universo é determinado por uma lei da ciência?", questionou o cientista.
Ele lembrou então que, durante uma palestra sobre cosmologia no Vaticano, membros do clero disseram que era o “suficiente estudar o universo uma vez que ele fora criado, mas não investigar o início em si, já que este é o momento da obra de Deus”. Em seguida, sem perder seu tradicional tom bem humorado, Hawking ironizou a declaração:
- Mal sabiam eles que eu já tinha apresentado na conferência um documento sugerindo outra explicação para o surgimento do universo. Mas não me agradava a ideia de que eu poderia receber de presente a Inquisição, como Galileu recebeu.

Fonte: O Globo
Nota. Ao dizer que Deus não é suficiente para explicar o surgimento do Universo, ele está partindo da visão pessoal que faz de Deus. Nenhum humano pode ter a visão completa de Deus a ponto de julgar o que Ele é capaz de fazer. Mais uma vez o ilustre cientista delira em suas declarações. Se é fato comprovado que o Universo teve um começo, temos que admitir uma causa. Se no processo de surgimento do Universo houve uma explosão, algo ou alguém produziu a faísca. A observação racional indica que para o Cosmos imergir do caos e se tornar o que hoje conhecemos, houve um agente causador e organizador da matéria. Infelizmente as muitas letras aliadas a uma arrogância estúpida fazem delirar o citado cientista.

quarta-feira, 1 de outubro de 2014

Matar em nome de Deus é grande sacrilégio, diz Papa Francisco

     O papa Francisco condenou quem mata “em nome de Deus”, uma forte crítica aos extremistas muçulmanos. Francisco estava neste domingo (21) na Albânia onde ministrou uma missa para cerca de 250 mil pessoas, segundo o Vaticano.
     “Ninguém pode usar o nome de Deus para cometer violência. Matar em nome de Deus é um grande sacrilégio. Discriminar em nome de Deus é desumano. Ninguém pode pensar em usar Deus como escudo enquanto planeja e executa atos de violência e de sofrimento”, disse.
       Bergoglio falou sobre a tolerância entre as religiões e diferenças e citou a si próprio como exemplo de convivência pacífica dizendo que a “religião autêntica é fonte de paz e não de violência”.
      Diante dos fiéis, Francisco disse que estava “muito feliz” por estar na Albânia, “terra de heróis que sacrificaram a vida pela independência do país” e “terra de mártires que testemunharam sua fé em tempos difíceis de perseguição”.
     Falando especificamente com os jovens, o líder católico pediu para que eles saibam dizer não a idolatria, ao dinheiro e para a falsa liberdade individualista e que digam sim para a cultura do encontro e da solidariedade.
     No final da missa ele defendeu a “pacífica e frutuosa convivência entre pessoas e comunidades pertencentes às religiões diversas é possível e praticável e um bem inestimável para a paz e para o desenvolvimento harmonioso de um povo”.
     Na Albânia a maioria da população é muçulmana e havia temores de que soldados do Estado Islâmico estivessem presentes na missa com o objetivo de matar o Papa, já que ele vem recebendo ameaças desse grupo. No país apenas 15% da população é católica.
Fonte: Gospel Prime

Nota. É importante nestas horas ter um passado que indique coerência. O site Bol publicou um artigo que denuncia um processo de investigação sofrido pelo padre Marcelo Rossi, que pode ser lido <aqui> no qual o articulista diz, no meio de seu comentário, o seguinte:
"A Cogregatio <órgão do Vaticano para a disciplina da fé> matou na fogueira, por asfixia ou afogamento centenas de milhares de pessoas no mínimo entre os séculos 12 e século 19 (mas há relatos de incipientes matanças já no século 10). A Inquisição também calou, excomungou ou proibiu de ensinar milhares de padres e freiras ao redor do mundo até o presente."
        O mais chocante é saber que as mesmas instrumentalidades usadas no passado para tirar a vida de tantas pessoas ainda perduram até hoje. Entre estas está a Congregação para a Doutrina da Fé, presidida por muitos anos pelo cardeal Joseph Ratzenger, que mais tarde se tornou o papa Bento XVI. Outro que sofreu punição e o afastamento das suas funções por esta mesma instituição foi o Teólogo Leonardo Boff. Este declarou ter sentado na mesma cadeira na qual sentaram pessoas como Galileu Galilei.

sexta-feira, 19 de setembro de 2014

Grupo quer distribuir livros satanistas em escolas públicas

Um Templo Satanista de Nova Iorque quer distribuir materiais sobre a religião em escolas da cidade Orange County, na Flórida. Após escolas públicas permitirem grupos cristãos e ateus a distribuírem materiais aos alunos, o templo criou panfletos e um livro de atividades para crianças.
"Se uma escola pública irá permitir a distribuição de panfletos religiosos e bíblias para os estudantes - como no caso de Orange County, Flórida - nós achamos que temos a responsabilidade de assegurar que os estudantes tenham acesso a uma variedade diferente de opiniões religiosas, ao invés de ficarmos parados enquanto uma única voz religiosa domina o discurso e entrega propaganda aos jovens", disse o co-fundador do templo, Lucien Greaves.
Funcionário das escola informaram que não receberam um pedido formal do templo, mas reservaram o direito de revisar os materiais. O Templo Satânico deseja distribuir materiais como "O Grande Livro Satânico de Atividades para Crianças", que incluiu informações para os estudantes se protegerem de punimentos corporais nas escolas.

Fonte: DM

Nota. O pai da mentira aprimora seus ataques e artimanhas cada vez mais. Isto é mais um indicativo que temos, de fato, no final dos tempos.

quinta-feira, 11 de setembro de 2014

Design Inteligente desembarca no Brasil e desafia evolucionismo

A Teoria do Design Inteligente (TDI), que defende uma causa inteligente como a criadora de toda matéria e vida, chegou de vez ao Brasil e já cria seus alicerces em terras tupiniquins por meio do 1° Congresso Brasileiro de Design Inteligente. O evento, irá acontecer no hotel The Royal Palm Plaza, em Campinas, São Paulo, nos dias 14, 15 e 16 de novembro é organizado pelo professor Marcos Eberlin, da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), e membro das Academias Paulista e Brasileira de Ciências, e pretende debater  a química em nível molecular e a cosmologia em suas diversas nuances. O encontro promete ser um marco na discussão científica em torno da origem do Universo e da Vida.
“Como cientistas, pagos com recursos públicos não temos a opção, mas a obrigação de, deixando nossas preferências em casa, avaliar as duas causas possíveis e contar à população a verdade dos dados. Esses dados apontam como nunca antes, para a maior descoberta científica de todos os tempos em ciência, a de que fomos planejados. A TDI se propõe então a fazer ciência plena e sem pré-conceitos, de como o Universo e a Vida são, e como deveriam ter sido formados”, defende Eberlin.
A TDI estuda e analisa recentes dados científicos sobre os eventos que deram origem ao Universo e aos seres vivos, inferindo que os padrões de inteligência revelados através da complexidade irredutível dos seres vivos conduzem às evidências de uma inteligência organizadora. Em seu arcabouço teórico, a TDI reúne metodologia e conhecimentos interdisciplinares de estudos dos seres vivos em nível molecular, e através de inferências baseadas em fatos observáveis, propõe uma reinterpretação da origem da vida.
Com isso, uma das principais conclusões é de que não existem processos naturais não guiados conhecidos que poderiam ter formado os intrincados sistemas que compõe a vida. “Nem a informação semântica e aperídica que governa a vida, como sugere a evolução darwiniana. A ciência só conhece uma causa para tal complexidade e informação: mentes inteligentes. Assim, há evidências claras hoje em Ciência contra a ação de processos naturais e em favor do Design Inteligente”, explica o acadêmico.

Fonte: GospelPrime

Nota. O DI é um movimento liderado por cientistas competentes que percebem o óbvio, ou seja, que existe uma inteligência por traz das obras da natureza. Em função de discordarem da ideologia secular reinante sofrem descaso a até opressão. Um evento como este, caso seja realizado, servirá para esclarecer o assunto perante a população leiga, em especial os jovens que são os alvos mais comuns do ateísmo.

terça-feira, 9 de setembro de 2014

Papa Francisco estuda criação da “ONU das religiões”

        O ex-presidente de Israel Shimon Peres, 91, visitou o papa Francisco na quinta-feira (04). O principal assunto foi a criação de uma espécie de “ONU das religiões”.
       “Vendo que a ONU fez, acredito que deveríamos ter uma Organização das Religiões Unidas, uma ONU das religiões”, afirmou Peres, um dos ganhadores do Prêmio Nobel da Paz de 1994.
        Sem especificar os detalhes, essa “ONU das religiões” seria liderada pelo Papa.  A justificativa é que o modelo atual das Nações Unidas acaba sendo impotente diante da atuação de grupos terroristas “que matam em nome de Deus”. O ex-presidente acredita que o secretário-geral da ONU, “não têm nem a força nem a eficácia de qualquer homilia do Papa, que reúne meio milhão de pessoas na praça de São Pedro”.
         Chamada por ele de Organização das Religiões Unidas, poderia intervir em situações como a guerra criada pelo Estado Islâmico, que é essencialmente religiosa. Peres acredita que são casos pontuais, pois “a maioria das pessoas não são como eles, praticam sua religião sem matar ninguém, nem sequer pensam nisso.”
       A proposta inclui ainda a formatação de uma “Carta das Religiões Unidas, que funcionaria como a Carta das Nações Unidas”, estabelecendo diretrizes “em nome de todos os credos”. Entre suas posições, estabeleceria que “cortar a cabeça das pessoas ou realizar assassinatos em massa não tem nada a ver com religião”. A justificativa do líder israelense é que a ONU não tem se mostrado eficaz contra grupos extremistas. “É um organismo político, mas não tem a convicção que as religiões geram”.
         “No passado, a maior parte das guerras era motivada pelo espaço das nações…. Agora é uma guerra completamente nova se comparada com as do passado, tanto nas técnicas e sobretudo nas motivações. Hoje em dia há centenas, possivelmente milhares de grupos terroristas que matam em nome de Deus”, acredita.
          Recentemente, cerca de 40 soldados da ONU foram sequestrados por grupos terroristas na região de Golã, entre a Síria e Israel. Nenhuma ação efetiva foi tomada, o que motivou a queixa de Peres.
         Foi destacado ainda que Francisco tem se mostrado interessado nessa aproximação de cristãos, judeus e muçulmanos, pois no início do mês convidou o líder palestino Mahmoud Abbas, o próprio Shimon Peres e o Patriarca de Constantinopla para rezarem com ele no Vaticano. “Talvez [Francisco] seja o único líder realmente respeitado por todos”, finalizou.
        O padre Federico Lombardi, diretor da Sala de Imprensa do Vaticano, esclareceu que o Papa Francisco não assumiu compromissos em levar adiante a proposta, mas que sempre incentivou as iniciativas de diálogo com as outras religiões, em busca de justiça e paz. Desde que tornou-se pontífice, Francisco tem reforçando sua postura ecumênica, tentando aproximar-se das outras correntes do Cristianismo como os ortodoxos e os evangélicos.  

Fonte: GospelPrime

Nota. Os últimos acontecimentos se aproximam rápido. A polarização em torno de uma autoridade religiosa na Terra propiciará o cumprimento profético de Apocalipse, em especial do capítulo 13. É chegado a hora. "Prepara-te, e dispõe-te, tu e todas as multidões do teu povo que se reuniram a ti, e serve-lhes tu de guarda." Ezequiel 38:7

terça-feira, 26 de agosto de 2014

Os falsos mestres e seus sofismas perigosos

        É abundante em nossa época a presença de falsos líderes e mestres propagando seus sofismas e erros interpretativos. Satanás os usa como instrumentos na divulgação do engano para afastar as almas da verdade e da salvação. Abaixo está um vídeo de alguém que já teve alguma lucidez espiritual, mas em virtude de suas escolhas e atitudes, se tornou num ícone do liberalismo teológico, relativizando e dissimulando a realidade e importância de temas centrais da Escritura Sagrada.


segunda-feira, 25 de agosto de 2014

O Verdadeiro Encontro com Cristo!

            O encontro com Cristo é um evento fundamental na vida de todo cristão. A própria Bíblia coloca como condição e requisito para o novo nascimento e a consequente vida eterna (João 3). Este fato tem sido interpretado por muitos como algo de grande teor emocional, envolto em transbordamentos, porém na prática para muitos não passa da superficialidade.  
           Jesus disse: "Se me amais guardareis os meus mandamentos" (João 14:15), e "Se vós permanecerdes na minha palavra, verdadeiramente sereis meus discípulos" (João 8:31).
           O discipulado sem compromisso tem sido o foco da mensagem de muitas igrejas nominalmente cristãs. Desprezam a lei de Deus e os demais ensinamentos de Jesus que nos orientam a uma vida de santificação. Segundo estes, basta uma vida ética ou uma piedade superficial, mas todas as demais coisas que diz respeito a nossa fidelidade a Deus caiu em caducidade. É o evangelho da graça "barata", que visa apenas  o que Deus fez por nós, mas nada do que Ele quer fazer em nós.
           A missão do remanescente fiel no último tempo é conduzir as pessoas para uma verdadeira entrega a Jesus, pregando um Evangelho integral e não atalhos que acabam levando para longe da graça divina.
           Cuidado com as propagandas de muitos que pregam o evangelho da prosperidade e outras versões fraudulentas do mesmo. Naquele dia Ele dirá para estes: "Nunca vos conheci, apartai-vos de mim vós que praticais a iniquidade." (Mat. 7:23). Em resposta  dirão: "Senhor, em teu nome faziamos muitos sinais e prodígios ...
           Será uma surpreza para muitos saber que seguiram falsos líderes religiosos e seus sistemas espúrios de adoração. Hoje Deus chama seus filhos a saírem de Babilônia para conhecerem a verdade e fazerem parte do rebanho de Deus. " Saí do meio dela, ó povo meu, e livrai cada um a sua alma do ardor da ira do Senhor." (Jeremias 51:45). Em Apocalipse 18 há uma proclamação de advertência aos fiéis no último tempo. Este é o momento que Deus conclama a seus filhos por uma verdadeira entrega e conversão ao Evangelho integral e real de sua Palavra.
          
Aguinaldo C. da Silva
              

sexta-feira, 15 de agosto de 2014

O que o cristianismo atual nos dá a entender?

O funeral do bispo Tony Palmer, amigo do Papa Francisco e elo entre o líder romano e líderes evangélicos americanos, aconteceu na passada semana. Por estes dias, recebemos algumas novas informações sobre a sua vida e ação que certamente vale a pena considerar.
Quando em 2006 Tony Palmer já era amigo do então cardeal Mario Bergoglio, este último apoiou um evento conjunto entre católicos e carismáticos em Buenos Aires, organizado por Palmer. De notar que isto representou alguma mudança na posição de Bergoglio, que até então se mostrava muito reservado quanto a estas aproximações.
Durante esse tempo, Palmer, casado com uma católica, sentiu o apelo para unir-se à Igreja de Roma, e informou Bergoglio das suas intenções. O então cardeal respondeu que ele não deveria fazer isso; deveria manter-se na comunhão anglicana da qual fazia parte, pois eram precisos construtores de pontes. Ou seja, Bergoglio entendeu que Palmer seria bem mais útil à realização dos objetivos assumidos mantendo-se na comunidade anglicana enquanto agia para reaproximar as partes.
Nas conversas que ambos mantinham, costumavam comparar as separações no cristianismo ao apartheid na África do Sul, um regime que todos concordarão em não mais querer repetir. Desses tempos, Palmer confessou que o Papa não queria torná-lo um rebelde mas sim um reformador, uma palavra cuja escolha nos soa de forma um pouco perturbadora…
Mais recentemente, depois de Palmer ter aparecido na Convenção Carismática de Kenneth Copeland, foram os evangélicos americanos que tomaram a iniciativa de contactá-lo, pedindo para fazerem parte da delegação que iria a Roma encontrar-se com o Papa! Quando Francisco soube do grande e alargado interesse, ficou espantado e combinou com Tony Palmer o encontro.
Nesse encontro que organizou entre os líderes protestantes americanos e o Papa no dia 24 de junho, Palmer propôs a adoção de uma Declaração de Fé na Unidade para a Missão que os evangélicos tinham esboçado (repare que, mais uma vez, os protestantes é que estendem os braços para o compromisso; nem sequer é Roma que sugere o tal documento conjunto!), com o objetivo de ser assinado pelos protestantes e o Vaticano em Roma, em 2017, assinalando o 500º aniversário da Reforma. Acredite ou não, para celebrar a Reforma Protestante, os protestantes querem formalizar o seu fim!
A proposta tinha três elementos fulcrais: o credo de Niceia-Constantinopla, que católicos e evangélicos partilham; o essencial da declaração católico-luterana de 1999, com o acordo sobre a justificação pela fé; e, uma declaração formal confirmando que católicos e evangélicos estão unidos na missão, baseados no mesmo evangelho. Convirá relembrar que quanto a dois pontos críticos relacionados aos eventos finais da História – a santificação do domingo e a imortalidade da alma -, o protestantismo americano e Roma estão, de facto, baseados no mesmo “evangelho”.
Espantosamente, a proposta que Tony Palmer levava incluía uma secção final sobre liberdade de consciência. Seria muito interessante saber o que Roma diria desta parte…
O Papa recebeu o esboço e ficou de pensar na proposta, devendo o assunto ser novamente abordado num próximo reencontro com Palmer que, como sabemos, não voltou nem voltará a suceder.
Nas horas que Palmer passou no hospital após o acidente de que foi vítima, o próprio Francisco ligou para o hospital para se inteirar do estado de saúde dele, o que mostra a preocupação do Papa com o sucedido ao seu amigo de longa data.
O funeral de Palmer decorreu com um cerimonial católico romano e não anglicano (o setor à qual pertence a comunhão oficial de Palmer), por ordem do Papa Francisco (!), que também designou um bispo romano para oficiar a cerimónia.
Contudo, havia questões protocolares a serem resolvidas: 1º) os clérigos anglicanos deveriam autorizar o cerimonial romano, o que sucedeu; 2º) mais complicado, Palmer não poderia ser sepultado como um bispo católico, porque nunca foi investido como tal – isto resolveu-se com a intervenção do Papa, que ordenou o sepultamento como um bispo romano!
E onde foi Palmer sepultado? Na Capela de Eyre, um local histórico e revestido de altíssima honra, onde estão sepultados muitos católicos que resistiram às tentativas de conversão por parte dos anglicanos após a separação destes de Roma! Impressionante, não lhe parece?!
Durante a cerimónia fúnebre, a viúva leu uma mensagem privada que Francisco enviou à família dizendo que ambos oraram várias vezes no mesmo espírito, e que Palmer tinha deixado um enorme legado com a sua compaixão pela unidade cristã. Na mensagem, o Papa terá dado a entender que o trabalho de Palmer irá continuar, algo que não nos pode surpreender.
Creio que assim se faz mais alguma luz sobre a relação do Papa com o falecido Tony Palmer, enquanto ficamos com uma perspetiva bem clara acerca de como irão continuar os esforços de aproximação e união que Palmer tão bem vinha desempenhando.

Fontes usadas: “Pope’s Protestant friend dies, but push for unity lives”, artigo de Austen Ivereigh (autora de uma biografia do Papa Francisco que será publicada em novembro de 2014), no Boston Globe; “A few thoughts from the Requiem Mass Celebrating the Life of Rt Rev Anthony Palmer”, testemunho de Michael Daly, um padre que assistiu ao funeral de Tony Palmer.

O Tempo Final 

Nota. Os líderes das igrejas consideradas cristãs abdicaram da verdade na Palavra de Deus como forma de suplantar as diferenças. A medida que o tempo passa, manifestar uma postura fiel para com as doutrinas exaradas nas Escrituras,  passa a ser considerado politicamente incorreto. O termo 'fundamentalismo' está sendo aplicado para os cristãos que têm esta postura e traz consigo uma carga de desprezo e descriminação àqueles que a exemplo dos heróis da fé no passado,  dão valor a verdade da Palavra de Deus na sua íntegra e originalidade. Chegará o tempo que em prol de uma idealizada união de igrejas, os que ficarem firmes ao lado da Palavra de Deus sofrerão atroz perseguição.

sexta-feira, 8 de agosto de 2014

O que é Pecado?


        Muitos conceitos tem sido exarados por teólogos e estudiosos cristãos acerca do pecado. De fato a Bíblia apresenta diversas noções que se complementam na formação de um conceito bíblico para pecado.
        A idéia mais apontada na Bíblia é moral, "porque o pecado é transgressão da lei" (I João 3:4). A desobediência dos mandamentos de Deus é a definição mais recorrente. Mas pecado também é definido como ausência de fé, "tudo o que não é de fé é pecado" (Rom. 14:23). Esta parece ser a definição que está na raís da problemática em torno do pecado. Nossos primeiros pais desobedeceram no paraíso por falta de fé ou  confiança no Criador. Assim nossa falta de fé é apontada como um elemento chave no descumprimento da vontade divina.
                Mas um conceito que é claro na Bíblia, diz respeito ao pecado como estado ou situação vivencial de decadência e separação de Deus. "Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus" (Rom. 3:23). Esta última idéia traz consigo o sentido de pecado apontado pelo termo hebraico chata, que significa errar o alvo. Neste sentido todos nós erramos o alvo pela condição em que nascemos, ou seja, com a tendência para pecar. O salmista Davi expressou este fato nas seguintes palavras: "Em pecado me concebeu minha mãe" (Salmo 51:5).
               Resumindo, tudo o que nos aliena do Criador, seja ato ou estado é por definição pecado. Pecado é tudo o que está fora do vontade do Pai. Tudo o que foge do que é normal, tendo como referência o  projeto original de Deus. Jesus quer nos tirar desta situação. Sua vinda a este mundo foi para nos dar esta oportunidade. Ele não somente pagou a nossa dívida para com a lei de Deus, que cobra a vida do transgressor, mas também nos ensinou a nos aproximar de Deus pela oração, obediência e espírito humilde e submisso.
               Pela visão secular pecado não existe, é uma ficção dos religiosos. Os teólogos liberais tentam relativizar a sua realidade, bem como do valor da lei de Deus e da necessidade de obediência e submissão do pecador. Satanás procura disseminar esta visão que é enganosa. Sua luta no Céu foi contra a lei de Deus e a adoração ao Criador. Aqui na Terra procura por diversas ideologias afastar as pessoas da realidade do "pecado, da justiça e do juízo" (João 16:8).
              A solução definitiva contra o pecado é aceitar a soberania completa do Senhor Jesus em nós. Ele quer ser não somente nosso Salvador, mas Senhor absoluto de nossa vida.

Aguinaldo C. da Silva

sexta-feira, 1 de agosto de 2014

Ateus não existem, concluem cientistas

A crença em Deus está enraizada em todas as pessoas. Portanto, ninguém nasce ateu. Essa é a conclusão de um número cada vez maior de cientistas nos últimos anos. Obviamente os ateus não acreditam nisso, mas na semana passada, Nury Vittachi publicou uma reportagem intitulada “Cientistas descobrem que ateus podem não existir, e isso não é uma piada”.
Em seu artigo, Vittachi cita as obras de vários pesquisadores, como Graham Lawton e Pascal Boyer, que argumentam que a crença em Deus está, naturalmente, enraizada em cada pessoa.
“Os cientistas cognitivos estão cada vez mais conscientes de que uma perspectiva metafísica pode estar tão profundamente enraizada nos processos de pensamento humano que não pode ser expurgado,” explica Vittachi.
“É claro que essas descobertas não provam que é impossível parar de acreditar em Deus”, ressalta Vittachi. Para ele, a questão é que o ateísmo não é algo “natural” e a espiritualidade apenas “aprendida”, revertendo a lógica usada pela maioria dos ateístas militantes. “Somos todos um pouco mais espirituais do que pensamos”, concluiu.
Para quem alega que o raciocínio de Vittachi é exceção, outros cientistas chegaram a conclusões similares. Ara Norenzayan, psicólogo da Universidade de British Columbia, em Vancouver, Canadá, escreveu em um artigo para New Scientist nos mesmos termos.
“Quando as pessoas não acreditam em deus, isso não significa que elas não têm sensações que estão fortemente ligados ao sobrenatural… Mesmo em sociedades que se declaram de maioria ateísta, é possível encontrar um monte de crença no que chamamos de paranormal.”
De modo semelhante, Pascal Boyer na Universidade de Washington em St. Louis, argumentou que “uma série de traços cognitivos nos predispõe à fé”. Argumenta ainda que “dados confirmam que pensamentos religiosos parecem ser uma propriedade emergente de nossas capacidades cognitivas normais.” Para Boyer, a descrença é geralmente resultado de um esforço deliberado, que vai contra nossas “disposições cognitivas”, sendo “antinatural”.
O astrônomo Christian Dr. Jason Lisle argumenta que todos, incluindo os “ateus”, sabem intuitivamente que Deus existe. Em seu artigo recente “Existe uma prova inequívoca da Criação’?”, o cientista cristão usa a Bíblia para fechar seu argumento: “Muitos cristãos têm a impressão equivocada de que os críticos da Bíblia acreditariam se tivessem mais ‘provas’ da existência do Deus bíblico. Mas não é bem assim. Romanos 1:18-20, nos lembra que todo mundo tem um conhecimento inato de Deus da criação… portanto, os ateus apenas tentam negar para si mesmos o que sabem no fundo de seus corações”. Com informações Christian News.

Fonte: Gospel Prime
Nota. Investigando os povos  e culturas do passado, percebemos que a religiosidade ou o desenvolvimento da espiritualidade é algo que tem acompanhado a humanidade. O ateísmo como movimento ideológico é recente na história e se deve a uma classe que quer se sobressair sob a ilusão auto enganadora de ser mais evoluída ou inteligente. Naturalmente somos propensos a acreditar em Alguém superior que seja a razão de nossa existência.

terça-feira, 29 de julho de 2014

Conhecendo a Graça Divina!

    Conhecer a graça de Deus não se trata de um mero ato de assentimento intelectual. Para conhecer este precioso dom é preciso ser contagiado.
     Li, recentemente, que a conversão do pecador em uma nova criatura envolve um ato de transcendência, uma abertura para o mundo espiritual. Aparentemente isto me pareceu um tanto questionável, já que a fé consiste em aceitar sem ver ou sentir. Mas fazendo uma busca na Palavra de Deus, bem como uma profunda reflexão em minha vida cristã, estou convicto de que ser discípulo é um fato ocasionado pela unção do Espírito Santo em cada pessoa.
     Como crente tenho lutado no decorrer da vida com meus erros e fraquezas. Sei que simplesmente lutar contra minhas más tendências é perca de tempo. Quem acha que vai vencer seus pecados com o mero exercício da força de vontade e autodeterminação, está fadado ao fracasso. Já li muitos métodos e manuais de santificação tentando buscar uma vida mais produtiva e aperfeiçoada. Nada substitui a ação do E.S.  Enquanto apenas confiar no meu moralismo, preparo intelectual  e base doutrinária, não alcançarei nenhuma mudança de natureza. Serei um crente de dupla personalidade, ou seja, um lobo com pele de ovelha.   
    Contudo, também noto que em certos momentos vivencio um mal estar espiritual porque me afastei de Deus ou dei ocasião ao pecado. Sendo assim devo concluir que a unção do Espirito Santo em minha vida pode ser enfraquecida ou fortalecida pelas minhas atitudes. Assim, minha atenção deve estar voltada para o fato de ter agradado ou desagradado o Espírito Santo hoje e não para a natureza meritória de minhas obras. 
    Isto faz uma grande diferença em minha visão espiritual, pois saio do mero moralismo ou de uma visão meritória baseada em obras próprias, para ter o foco no relacionamento com Deus.
     Os indicativos que qualificam minha vida espiritual, tais como: interesse em orar, ler, meditar e refletir sobre assuntos espirituais, são frutos do E.S. em mim. Assim se não estou querendo fazer mais nada disto, é porque o Espírito Santo está se afastando de mim ou se retirou por completo.
     Para obter Sua unção é preciso rendição. Se sentir carente, ter a  consciência de que não tenho os recusos para vivenciar a vontade de Deus. Clamar a Ele por misericórdia e socorro. Na sua bondade poderá atender e dar consolação à alma. Só Ele vivifica, fortalece e faz acontecer. 
     Ser filho de Deus é uma questão de mudança de natureza. Vai muito além de dogmas e doutrinas. Sem esta percepção é impossível ter uma experiência real com Deus. 

"Porque Deus é o que opera em vós tanto o querer como o efetuar, segundo a sua boa vontade." Filipenses 2:13.
"Porque eu sei que em mim, isto é, na minha carne, não habita bem algum; e com efeito o querer está em mim, mas não consigo realizar o bem." Romanos 7:18.

Aguinaldo C. da Silva

sexta-feira, 25 de julho de 2014

Valores Espirituais X Mentalidade Hedonista

     Vivemos numa época que para muitos o prazer e a satisfação própria é a única coisa que faz sentido. Esta mentalidade está dominando o ocidente, determinando valores e com certeza influenciando negativamente a espiritualidade.
      O Apóstolo Paulo se referiu a esta mentalidade como um engodo perigoso e que na sua época já estava adentrando na igreja.
      "Irmãos, sede imitadores meus e observai os que andam segundo o modelo que tendes em nós. Pois muitos andam entre nós, dos quais, repetidas vezes, eu vos dizia e, agora, vos digo, até chorando, que são inimigos da cruz de Cristo. O destino deles é a perdição , o deus deles é o ventre, e a glória deles está na sua infâmia, visto que só se preocupam com as coisas terrenas." Filipenses 3:17-19.

      Esta tendência é desencadeada pela natureza humana egoísta e pecaminosa, que induz-nos a responder  aos estímulos carnais em detrimento aos valores espirituais. Em outras palavras o pecado aliena o ser humano de uma possibilidade maior, de interagir com o mundo espiritual, de ter uma experiência que envolva transcendência. O  diabo quer  que nos tornemos como animais, respondendo apenas a certos estímulos e paixões, que sejamos embrutecidos, sem sensibilidade e sem percepção espiritual.
      Na verdade é isto que o pecado faz conosco. Vamos nos bestializando e com nossas percepções embotadas já não nos damos conta que viramos animais. O propósito de Cristo é resgatar em nós a 'imago Dei', fazer gerar em nos a imagem e a expressão divina que nos foi conferida na Criação.
      
      No caminho do discipulado o segredo não é lutar contra um ego inflamado, mas  em  manter  dependência e ligação com Ele, a videira verdadeira. A luta contra o pecado só pode ser alcançada pela ação Dele em nós, através do Espírito Santo derramado à toda carne. 
       Jesus disse: " Por isso, vos digo: Pedi e dar-se-vos-á; buscai e achareis; batei e abrir-se-vos-á. Pois todo o que pede recebe; e o que busca encontra; e a quem bate abrir-se-lhe-á. Qual dentre vós é o pai que, se o filho lhe pedir pão, lhe dará uma pedra? Ou se pedir um peixe lhe dará uma cobra? Ou se lhe pedir um ovo lhe dará um escorpião? Ora se vós, que sois maus, sabeis dar boas dádivas a vossos filhos, quanto mais o Pai celestial dará o Espírito Santo aqueles que lho pedirem? Lucas 11:9-13.
     
     Esta é a única forma de se proteger diante da tsunami ideológica de natureza hedonista que domina a presente época. Buscar a unção do Espírito Santo é a solução para alcançarmos paz e contentamento, vencer a ansiedade crescente de nossa época, e a vitória sobre fraquezas e pecados. 

Aguinaldo C. da Silva 

segunda-feira, 14 de julho de 2014

De Volta à Casa do Pai

        
           De Volta à Casa do Pai  é o meu novo livro. Publicado neste mês (julho/2014), traz um apanhado da nossa história frente ao grande conflito universal que se iniciou no Céu.  Aborda de forma objetiva e clara o surgimento do paganismo e o desenvolvimento do povo de Deus, tanto no antigo como no novo Testamento. Faz uma apresentação  da decadência da igreja e da subversão da verdade, bem como da Reforma iniciada desde o século XVI, concluindo com uma reflexão sobre o remanescente da igreja cristã e seu papel no mundo.
        Disponibilizo aos leitores deste blog a aquisição do livro, podendo entrar em contato e fazer sua solicitação.  O custo é apenas R$7,00 + despesa de remessa. São 102 páginas no formato 19 x 12 cm.
     

segunda-feira, 7 de julho de 2014

O Fundamentalismo Religioso e os Eventos Finais

      Há algum tempo o Papa pediu o fim do fundamentalismo a judeus, cristãos e mulçumanos. Reportagem esta que pode ser lida aqui . O fundamentalismo religioso tem sido destacado nos meios de comunicação, em especial quando aumenta a escalada de violência no Oriente Médio. As grandes lideranças do mundo estão percebendo o fator 'Religião' como preponderante para a obtenção da paz em várias partes do mundo.
      A Wikipédia define 'fundamentalismo' da seguinte forma: "Fundamentalismo é um movimento que objetiva voltar ao que são considerados princípios fundamentais (ou vigentes na fundação) da religião. Especificamente, refere-se a qualquer enclave religioso que intencionalmente resista a identificação com o grupo religioso maior do qual diverge quanto aos princípios fundamentais dos quais imputa ao grupo religioso maior ter-se desviado ou corrompido pela adoção de princípios alternativos hostis ou contraditórios à identidade original." Ainda segundo a Wikipédia  o uso do termo 'fundamentalista' aplicado aos cristãos surgiram no início do século XX, com o protestantismo dos Estados Unidos, em especial com a publicação do livro Os Fundamentos. 

     Dentro desta conceituação os fundamentalistas são aqueles que divergem de um grupo majoritário, se apegando a um fundamento, no caso do Cristianismo a Bíblia, de forma  peculiar e distintiva. Contudo o radicalismo ou ultraconservadorismo proveniente dos chamados 'fundamentalistas' é nocivo à sociedade em função da intolerância religiosa ligada a atos de violência e discriminação. O que qualifica estes grupos  não é o fato de professarem uma verdade que se distingue das demais religiões, mas o propósito de suscitar violência. Por outro lado a elite intelectual dominante vê com maus olhos aqueles que  mantém uma visão do mundo centrada na fé e em valores religiosos. O secularismo está permeando todos os setores da sociedade, inclusive as igrejas cristãs, influenciando o modo de interpretar a Bíblia e sua aplicação prática. Assim uma grande parte destas igrejas já contempla uma visão alegórica da Bíblia, seguindo de fato a ética e os valores sociais vigentes.

     Minha conclusão é de que futuramente todos os que vierem a ser taxados de fundamentalistas por uma nova ordem mundial de governo, sofrerão sanções, podendo perder o direito à cidadania e a todos os direitos a ela concernentes. Não se distinguirá o real propósito de cada grupo que venha a ser considerado fundamentalista. Em outras palavras, todos serão colocados no mesmo caldeirão.  Aí se cumprirá parte de Apocalipse 13, ou seja, a perseguição aos que não receberem o sinal da besta nem adorarem a sua imagem. Acredito que não estamos vivendo muito longe disto. O mundo já se prepara para viver esta ideologia massificadora. Dia a dia vemos posturas e atitudes governamentais sendo tomadas em nome da coletividade, mas que na verdade tem o propósito de contemplar ou promover uma determinada ideologia ou política.  

Aguinaldo C. da Silva

quarta-feira, 2 de julho de 2014

Cientistas afirmam que Deus produziu o Big Bang

No debate milenar entre a ciência e a religião, os cientistas e os religiosos apresentam seus argumentos tentando convencer os demais. Uma minoria busca um “mínimo denominador comum” convincente.
Esta semana, contudo, o embate entre criacionismo e Big Bang pode ter ganhado um capítulo importante. O professor Nathan Aviezer, da Universidade Bar Ilan de Israel veio a público defender fortemente que as crenças científicas e religiosas podem viver juntas em harmonia.
Ao lançar seu livro “In the Beginning” [No Princípio], ele afirmou que os cientistas há décadas estão buscando pelas ondas produzidas pela gravidade, mas esse tem sido um feito difícil. Afinal, a gravidade é um bilhão de bilhão de vezes mais fraca que as forças elétricas, que também produzem ondas.
Contudo, argumenta, “se houve uma enorme mudança gravitacional, então talvez com algum equipamento muito sensível, você poderia detectá-las.” Para ele, o Big Bang causou essa mudança “por isso não havia esperança de que talvez você pudesse ver as ondulações causadas pelo Big Bang”. É nesse momento que entra o relato do primeiro versículo de Gênesis, onde mostra que Deus criou o céu e a Terra.
Embora todos os cientistas também usem um momento inicial para o estabelecer o surgimento do universo, eles não necessariamente atribuem isso a Deus, preferindo argumentar que aconteceu espontaneamente.
Nessa disputa pelo primeiro momento, os cientistas apostam na explosão conhecida como Big Bang, enquanto judeus e cristãos defendem que foi o momento em que Deus disse “Haja luz”.
“A criação da luz foi essencialmente a criação do universo”, resume Aviezer. “Cada palavra escrita na Torá [Antigo Testamento] se encaixa nas descobertas científicas mais recentes. Elas estão em harmonia exata com as palavras da Torá. ”
O renomado rabino Benny Lau, concorda que essa teoria científica é compatível com a história judaica revelada no Livro de Beresheet [Gênesis]. Para ele, os conceitos de tempo na Bíblia não são os mesmos que aqueles que usamos agora, pois ‘um dia’ pode perfeitamente ser o mesmo que um milhão de anos. Mesmo assim, para Lau, as últimas descobertas científicas não alteram o entendimento judaico sobre como tudo começou.
O debate voltou a ocorrer após o material divulgado pelo astrônomo John M Kovac, do Centro de Astrofísica Harvard-Smithsonian. Esta semana, a equipe de cientistas americanos do projeto BICEP2, anunciou ter encontrado resíduos deixados pela chamada “inflação cósmica”. Esse é o nome dado ao crescimento exponencial pelo qual o universo passou em seu primeiro quadrilionésimo de segundo.
Usando poderosos telescópios situados no Polo Sul, eles comprovaram a existência de “micro-onda cósmica de fundo”, uma radiação muito fraca que permeia todo o universo. Tais ondas gravitacionais deixam marcas ao percorreram o espaço em sua “fase inflacionária”. As chamadas ondas gravitacionais funcionam na cosmologia como uma espécie de “eco” do Big Bang.
“Isso abre uma janela para um novo mundo da física, aquele que ocorreu na primeira fração de segundo do universo”, disse Kovac, que liderou as equipes do BICEP2 (Background Imaging of Cosmic Extragalactic Polarization 2)
Caso seja confirmada, a descoberta dos astrofísicos poderá lhes render um prêmio Nobel, pois seriam as provas necessárias para apoiar a teoria que o universo teve um começo.
O escritor e educador judeu Izzy Greenberg escreveu ao Jerusalém Post que: “Quando perguntamos sobre como o mundo foi criado, nós poderíamos ter tanto um Big Bang [Grande Explosão] quanto um Big Banger [Grande Explodidor]. Lembra que o famoso rabino-chefe de Israel Yitzchak Eizik HaLevi Herzog, em 1957 escreveu: “Segundo uma perspectiva científica, acreditamos que Deus criou bilhões de átomos, para os quais estabeleceu certas leis naturais. Esses átomos mais tarde desenvolveram-se e evoluíram de acordo com essas leis. Mas isso não é diferente que acreditar, segundo o relato simples de Gênesis, que Deus criou os céus e a Terra, no primeiro dia…”.
O professor Aviezri S. Fraenkel, do Instituto Weizmann, expressou um sentimento semelhante. Ele defende que a moderna teoria da cosmologia e a religião judaica, na verdade, podem se ajudar e se explicar mutuamente. Elas não anulam uma à outra. “Na verdade, as teorias modernas, mesmo que se aprofundem cada vez mais, ainda não explicam todos os fatos observados no cosmos, conferindo apenas um novo significado para o versículo de Salmo 92:5: “Quão grandes são, SENHOR, as tuas obras! Mui profundos são os teus pensamentos“. Com informações de Jerusalem Post.

Fonte:  Gospel Prime 
Nota. No alto da montanha ciência e teologia se encontram. A maior dificuldade de certos ateus é conceber um Deus tão grande que Nele se fundamente  energia, matéria e tempo. A nós não é dado conhecer todos os mistérios (Deuteronômio 29:29), por isto nos relacionamos com Deus pela fé. No entanto as evidências de Sua presença nas obras criadas são abundantes. Até a própria Fsica reconhece a impossibilidade de tudo se formar por processos naturais.