terça-feira, 27 de dezembro de 2011

Nostradamus verdadeiro ou falso profeta?

Entre todos os homens ilustres do século dezesseis, Michel de Nostredame, conhecido como Nostradamus, é incontestavelmente o que, depois de sua morte, deu origem ao maior número de obras literárias, com influência no século XX, objeto essencial de sua visão profética.

Nasceu a 14 de dezembro de 1503, na França, e morreu a 2 de julho de 1566. Além de astrólogo foi um respeitável médico.
Nostradamus aprendeu latim, grego, hebraico, matemática e astrologia com seu avô, Jacques de Nostredame, médico da corte do rei René de Provença.

Apesar de existirem controvérsias, dizem que Nostradamus profetizou a queda de Napoleão Bonaparte; viu o assassinato de Lincoln e dos irmãos Kennedy; a tomada do poder por Francisco Franco, na Espanha, e a tirania de Hitler. Há menções de um príncipe árabe que conquistará parte do Ocidente e previsões de peste e fome para o futuro.

Mas será que Nostradamus foi realmente inspirado por Deus?

Entendemos que um profeta é aquele que prevê acontecimentos que ainda irão ocorrer. Porém muito mais do que isto, um profeta do Senhor é aquele que não só prevê o futuro, mas é fiel a Deus, e seus ensinos estão de acordo com a Bíblia.

Nós precisamos analisar a vida espiritual e os exemplos deixados, para comparar e ver se realmente este profeta é autêntico. A Bíblia também menciona falsos profetas que enganavam o povo, com suas profecias, na maioria, de prosperidade. Deve-se ter muito cuidado antes de considerar se um profeta é verdadeiro ou não.

Para sabermos se um profeta é realmente verdadeiro, precisamos comparar o que ele fala ou escreve com o que está escrito na Bíblia. Devemos ter muito cuidado pois um falso profeta muitas vezes consegue prever um acontecimento, ou outro, mas sua vida não é de acordo com os ensinamentos Bíblicos.

Veja alguns requisitos para comprovarmos se um profeta é verdadeiro e os compare com a vida e obra de Nostradamus:

1) Falar segundo a lei e o testemunho – Isaías 8:19 e 20.
2) Pelos seus frutos os conhecereis – Mateus 7:15-20
3) Pelo cumprimento de suas profecias – Jeremias 28:9.
4) Pela exaltação de Cristo Jesus – I João 4:1-3.

Nostradamus não possuí estas características. Segundo a Bíblia, todo o trabalho de astrologia, adivinhação, etc.. é abominável a Deus: Não se achará entre ti quem faça passar pelo fogo o seu filho ou a sua filha, nem adivinhador, nem prognosticador, nem agoureiro, nem feiticeiro; nem encantador, nem necromante, nem mágico, nem quem consulte os mortos; pois todo aquele que faz tal coisa é abominação ao SENHOR; e por estas abominações o SENHOR, teu Deus, os lança de diante de ti. Perfeito serás para com o SENHOR, teu Deus. Porque estas nações que hás de possuir ouvem os prognosticadores e os adivinhadores; porém a ti o SENHOR, teu Deus, não permitiu tal coisa. (Deuteronômio 18:10-14).

Deus não permitiu que houvesse entre Seu povo este tipo de prática, pois estas (astrologia, adivinhação, prognósticos, consulta a mortos) são ciências e práticas ocultas inventadas pelo diabo, a fim de enganar as pessoas e desviá-las de Deus.

Todo aquele que faz tal coisa é abominação ao Senhor…

Com isto, podemos concluir que Nostradamus foi um falso profeta, pois não estava em harmonia com os requisitos bíblicos de um verdadeiro profeta.
 

NOTA: Muitos falsos proféticos já surgiram e muitos ainda surgirão. Para aqueles que não se firmam na rocha, que é a palavra de Deus, serão facilmente envolvidos por tais enganadores. Jesus também advertiu dizendo que o surgimento destes são sinais do fim. (ver Mateus 24). Não podemos esquecer que o principal sinal do verdadeiro profeta é a obediencia. Jesus disse: "Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus. " (Mat. 7:21).

segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

Pedra maia fala da chegada do “senhor dos céus”

A pedra do calendário maia que foi interpretada erroneamente como um anúncio do fim do mundo marcado para dezembro de 2012 foi apresentada na terça-feira em Tabasco, sudeste do México. A peça é formada de pedra calcária e esculpida com martelo e cinzel, e está incompleta. “No pouco que podemos apreciá-la, em nenhum de seus lados diz que em 2012 o mundo vai acabar”, enfatizou José Luis Romero, subdiretor do Instituto Nacional de Antropologia e História. Na pedra está escrita a data de 23 de dezembro de 2012, o que provocou rumores de que os maias teriam previsto o fim do mundo para esse dia. Até uma produção hollywoodiana, “2012”, foi lançada apresentando esse cenário de Apocalipse. “No pouco que se pode ler, os maias se referem à chegada de um senhor dos céus, coincidindo com o encerramento de um ciclo numérico”, afirmou Romero. A data gravada em pedra se refere ao Bactum XIII, que significa o início de uma nova era, insistiu Romero.

Fonte: Jornal do Brasil

NOTA: Para o crente vigilante não é este tipo de informação (acima) que lhe fará passar por um verdadeiro reavivamento espiritual. Especulações sobre a data do fim do mundo ou da volta de Jesus sempre existiram. Sabemos que o tempo da volta de Jesus se aproxima, mas não sabemos a data. Melhor é estar preparado como se Cristo voltasse hoje, pois não sabemos se ainda estaremos aqui amanhã, e se for o caso nosso destino já estará definido. Por isto Paulo nos diz que hoje é o dia da salvação.(Hebr. 4:7).

terça-feira, 20 de dezembro de 2011

TODAS AS RELIGIÕES SÃO IGUAIS?

Entre os estudiosos da religião criou-se uma forma de estudar o fenômeno religioso que se baseia no pressuposto que, em última instância, todas as religiões seriam expressões modificadas das mesmas ideias fundamentais. Essa tendência é facilmente percebida no trabalho pioneiro de Mircea Eliade, filósofo romeno naturalizado americano.

Porém, o conceito não faz jus às diferenças nítidas entre as principais correntes religiosas. Nivelar a diversidade de pensamentos religiosos parece causar mais má compreensão do que contribuir decisivamente para um entendimento aclarado de casa crença.

Pensemos na questão da inspiração. Muitas culturas religiosas, do xamanismo ao hinduísmo, admitem ideias similares de comunicação dos deuses e com os homens. Entretanto, o modelo bíblico de inspiração é bem diverso das culturas místicas, basicamente porque o conceito equilibrado entre Imanência e transcendência de Deus não ocasiona uma adoração baseada em experiência de transe.

Em outras palavras: existe a ideia básica de que a divindade se comunica. Porém, além da superfície, encontramos as divergências, que pode ser expressa em algumas perguntas-chave: por que a divindade se comunica? Como se dá essa comunicação? O quê a forma da comunicação nos informa sobre a característica da divindade?

Alguém poderia contra-argumentar, afirmando que mesmo no cristianismo entramos correntes místicas, muito próximas às de outras expressões religiosas. Estudos já foram escritos aproximando cultos pentecostais de rituais animistas na África (principalmente na questão do fenômeno da glossolalia, ou o falar em línguas).

Entretanto, o fato de haver ramos místicos nas três grandes religiões monoteísta (e não apenas no cristianismo!) não quer dizer que esses ramos sejam o estágio primitivo dessas religiões mas, sim, tratam-se de interpretações posteriores. Muito do que li de um pensador sufista no livro "A travessia dourada", faria um fiel seguidor de Alá ficar roxo de raiva!E, pelo que sei, quando os poetas místicos islâmicos surgiram, eram duramente perseguidos como hereges...) .

Tanto o modelo bíblico é diferente no que toca ao transe místico que, no caso de grupos cristãos que concebem a Deus de forma mais "imanente" (carismáticos e pentecostais), há uma tendência de desvalorizar a Revelação em detrimento da experiência mística.

E o que dizer de livros que possuem uma linguagem peculiar, muito próximo aos sonhos e que nos fazem lembrar o misticismo primitivo? Em especial, o Apocalipse bíblico não seria fruto de uma experiência mística como a encontrada entre os índios norte-americanos, por exemplo?

A estranheza dos livros apocalípticos da Bíblia (sim, há mais de um) não nos leva a um subjetivismo radical, não-lúcido ou mesmo psicodélico; as profecias de Ezequiel, Daniel (algumas), Zacarias e Apocalipse, para citar alguns exemplos, se utilizam de símbolos, que os respectivos autores explicam ao longo de seus livros ou que, ao menos, podem ser entendidas quando se faz um estudo de outros livros bíblicos enquadrados no mesmo gênero literário.

Por essas considerações, pensamos que a maneira mais coerente de se estudar as religiões em particular é não adotar aproximações forçadas que distorçam o que cada adorador defende. No caso específico do monoteísmo bíblico, notamos os aspectos nos quais ele diverge radicalmente do misticismo religioso. Deus quando Se comunica fala à mente sem a violência do transe ou sem que para isso o receptor precise adotar alucinógenos para mediar a experiência.

Seria pouco dizer que a comunicação que o Deus da Bíblia entretém seja puramente racional, porque ela abrange a totalidade da pessoa humana, emocionando, informando, transformando, guiando. Enfim, trata-se de uma experiência sem paralelos.

Fonte: Questão de Confiança 

NOTA. Para entendermos o fato da multiplicidade religiosa hoje presente no mundo, temos que  tomar por base o contexto do grande conflito entre o bem e o mal. Sempre houve o interesse de Satanás em contrafazer as ações de Deus e criar falsificações da verdadeira adoração. O recurso inicial foi o paganismo nas mais diversas formas de ocultismo e espiritismo. Hoje esta estratégia está muito bem trabalhada e se disfarça penetrando até mesmo o meio evangélico cristão. De forma que a diferença entre a verdade e o erro se torna muitas vezes sútil e quase imperceptível. O fiel buscador da verdade deve ter critérios bem formados, tendo a Bíblia por base de sua fé. Outras fontes, mesmo que aparentemente salutares, acabam por fim a desviar a mente do crente das verdades mais sublimes do evangelho. Satanas é astuto e trabalha continuamente para neutralizar o vigor da fé cristá e assim prolongar seu reino de pecado. Cuidado! |Vivemos rodeados por inímeros engodos, sofismas e falsas doutrinas para deter os incautos.

CIÊNCIA E RELIGIÃO: COMO CONCILIÁ-LAS?

Alguém escreveu-me perguntando se o melhor caminho para conciliar ciência e religião não seria admitir que ambas pertencem a esferas diferentes. A religião se preocuparia em entender o mundo físico, observar e prever os fenômenos da natureza e extrair de seus estudos conhecimento útil para a humanidade. Em contrapartida, a religião seria algo de caráter pessoal, menos despretensioso, lidando com opiniões que, por estarem fora daquilo que é empírico, seriam difíceis de serem comprovadas ou contestadas; assim, cada um teria espaço para sua fé.

Respondendo à pergunta: pelo que percebo, o problema está nas definições. Nada errado quanto ao entendimento de ciência (naturalismo metodológico), a qual serve igualmente para evolucionistas ateus e teístas, partidários do criacionismo ou do DI. Apenas que a ciência como disciplina do conhecimento é limitada. Não se pode analisar se um soneto de Camões é mais belo do que um de Olavo Bilac pelo método científico. Também não podemos definir se o que Alexandre Nardoni fez foi monstruoso de forma empírica.

Outro problema: há uma falha conceitual na definição de religião, que está bem "pausterizada". Pense em João 14:6, o texto que é usado por pregadores ávidos de confortar seus ouvintes. Note que, ao contrário disto, as palavras de Cristo são muito absolutas e instigadores: Ele se define como única Verdade.

Jesus até radicaliza ainda mais quando conclui: "ninguém vem ao Pai senão por mim". Não vejo aqui a espécie de tolerância pós-moderna que admite: "todas as religiões são caminhos diferentes que levam ao mesmo Deus." Jesus não nos dá margem para isso. Sua afirmação simplesmente diz que apenas Ele leva a Deus. Não se oferece espaço para xintoístas, budistas, muçulmanos, espiritualistas, etc, como seguidores de caminhos alternativos.

Parece duro, não é? Mas o fato é que, temos apenas duas alternativas diante deste texto: aceitá-lo ou rejeitá-lo. Relativizá-lo é partir de uma interpretação ingenuamente reducionista. Esse é o meu ponto.

Portanto, quando se fala do embate entre criacionismo e evolucionismo, avaliações de ambos os sistemas são decorrentes de como você estabelece as regras do jogo. Para evolucionistas, somos animais, tão evoluídos quanto qualquer outro grande mamífero; para o teísmo, somos à imagem e semelhança de Deus. Qual destas noções é mais compatível com o todo da realidade? Isto requer um exame de todas as evidências. Descartar de antemão o criacionismo como anti-científico por ele não adotar o naturalismo filosófico é jogar sujo.

É como se eu quisesse avaliar o melhor esportista do ano tomando dois candidatos: o argentino Lionel Messi e o lutador de UFC Anderson Silva. Para definir o melhor, eu empregaria como critério o uso mais competente dos golpes de punho. Evidentemente, minha avaliação seria injusta, por privilegiar um tipo de esporte.

Por outro lado, isso equivale a dizer que é impossível avaliar o melhor esportista, apenas por estar diante de modalidades de esporte diferentes? Não. Eu apenas tenho que usar critérios abrangentes, como, por exemplo: qual esportista se destacou em sua modalidade? Qual deles conquistou mais medalhas? Qual chamou mais atenção para o esporte que pratica?

Semelhantemente, é possível aquilatar evolucionismo e criacionismo, usando critérios abrangentes, que consideram as diferenças conceituais dos dois modelos. Ao mesmo tempo, a “prova de teste” é coerência de cada um com o que o conhecimento humano limitado dispõe.

Finalizando, o cristianismo é um pacote fechado: não dá para aceitar alguns itens de renegociar outros. Do ponto de vista cristão, a conciliação entre fé e ciência é possível quando se entende ciência de uma perspectiva criacionista, que é compatível com a verdade bíblica e com os dados empíricos do mundo natural.


NOTA: Quanto mais o tempo passa, mais vai ficando claro certas coisas. Com relação ao embate entre religião e ciência, fica claro que a questão é ideológica. Os cientistas evolucionistas usam a ciência como pretexto para defender sua posição, mesmo quando ela (a ciência) não prova cabalmente a opinião daqueles. Se formos ver direitinho pelo método científico, a teoria evolucionista não passa de um punhado de suposições. O que se pode comprovar cientificamente é a microevolução de algumas espécies, que nada mais fizeram que se adaptar ao meio, mas jamais geraram novas espécies.  É isto e ponto. Usar a imaginação para tecer as mais variadas  suposições, é o que tem feito certos cientistas e escritores tendenciosos ao ateísmo. Afinal, perdura um grande mistério em como surgiu a vida na terra e como surgiram as variadas espécies animais e vegetais com toda a sua complexidade e singularidade. Os que aceitam a criação divina pela fé reconhecem a impossibilidade destes seres surgirem de forma espontânea ou casual. Acredito que mesmo lançando mão da fé, estes estão sendo muito mais racionais que os evolucionistas, que justificam suas premissas  com o passar do tempo e o acaso.

domingo, 11 de dezembro de 2011

NÃO FAÇA ISSO COM SEUS FILHOS!

Nenhum pai ou mãe quer filhos problemáticos. Detalhes pequenos, porém, podem fazer toda a diferença!

Cuidado! As sete atitudes abaixo relacionadas poderão fazer de seu filho um delinquente:

1. Comece na infância a dar ao seu filho tudo que ele quiser. Assim, quando crescer, acreditará que o mundo tem obrigações de lhe dar tudo o que deseja.

2. Quando ele disser nome feio, ache graça. Isto o fará considerar-se interessante.

3. Nunca lhe dê educação religiosa. Espere que aos 21 anos, ele decida por si mesmo.

4. Satisfaça todos os seus desejos. Não lhe fruste e apanhe tudo o que ele deixar jogado: livros, sapatos, roupas…

5. Discuta com freqüência na frente dele e tome partido dele contra vizinhos, professores e policiais. Quando se meter em alguma encrenca séria, dê esta desculpa: “Nunca consegui dominá-lo”.

6. Nunca deixe ganhar o seu próprio dinheiro. Por que terá ele que passar pelas mesmas dificuldades que você passou?

7. Prepare-se para uma vida de desgosto. É a sua merecida recompensa.

Fonte: Novo Tempo

O mundo em crise: mas não cai a ficha nem a pose

Black Friday, Cyber Monday, décimo terceiro salário, liquidações, muito consumo e nada de poupança. Nem parece que o mundo vive uma crise econômica à beira de grave recessão. As incertezas apontam para os Estados Unidos e para a Europa – considerados os blocos mais ricos do planeta. O número de sem-teto em Atenas cresceu 25% desde 2008. Assim como nas principais capitais brasileiras, a população de rua aumenta na Grécia, na Itália e na França. Dormem-se nas calçadas e debaixo de viadutos, esticando-se uma folha de papelão e usando um cobertor para espantar o frio. Em Paris, são cada vez mais numerosos os homens ajoelhados nas calçadas exibindo a plaquinha “Eu tenho fome”.

No âmbito mundial, recente estudo do instituto alemão IFO diagnosticou que o Índice de Clima Econômico (ICE) para especialistas de 119 países despencou de 5,4 para 4,3 pontos entre julho e outubro. A falta de confiança nas políticas econômicas dos governos, o déficit público e o desemprego foram considerados os fatores que limitaram o crescimento econômico. Em apenas três meses o planeta passou da fase de boom para a recessão. Por essa metodologia, até a Alemanha – maior economia da Europa – caiu de 4,6 para 2,9 pontos. Nos Estados Unidos, a tendência de recuperação acabou impactada pela piora nas expectativas. Ainda assim, as agências de classificação de risco Moody’s e Fitch mantêm no AAA o rating norte-americano.

O problema para Barack Obama – em plena campanha para se manter na Casa Branca – é que não se sabe até quando o “triple A” será mantido. E qualquer alteração antes das complicadíssimas eleições – com seus delegados e votos por escrito – pode significar que o havaiano será o primeiro a não se reeleger, ao contrário de seus antecessores Bill Clinton (de 93 a 2001) e George W. Bush (2001 a 2009).

Os BRICS – agora com “S” maiúsculo por conta do ingresso da África do Sul – replicaram a tendência mundial. A Rússia e a Índia deixaram a confortável região de indicadores favoráveis (boom) em julho. Em outubro, a Rússia passou para a fase recessiva e a Índia conheceu o declínio. A mesma situação vive o Brasil, segundo o IFO, embora nossos shopping centers lotados digam o contrário.

O declínio do ciclo econômico atingiu também a América Latina que recuou de 5,6 para 4,4 pontos no trimestre analisado em relação ao anterior. [...]

Em tempo: as vendas da Black Friday nos Estados Unidos – na semana passada – foram 16% maiores que no ano passado. Durma com um barulho desse…
(Opinião e Notícia)

Bíblias atravessam fronteira na Coreia em balões para chegar aos cristãos



Bíblias que atravessam a cortina de bambu e chegam aos fiéis norte-coreanos com um balão: mais de 10 mil cópias da Sagrada Escritura foram distribuídas aos cristãos que vivem na Coreia do Norte – país onde a liberdade religiosa é negada.
Graças à singular iniciativa da organização “International Christian Concern” (ICC), com sede nos Estados Unidos, que realiza uma  vasta obra de sensibilização, monitoração e ajuda às comunidades cristãs perseguidas no mundo.
Um recente relatório sobre as atividades de 2011, enviado pela organização à agência Fides, ilustra as iniciativas de apoio às comunidades de fiéis que sofrem em vários países. A ICC informa ter pensado na utilização de balões para atravessar um dos confins mais militarizados do mundo e fazer chegar as Bíblias às comunidades clandestinas na Coreia do Norte: “É um dos países mais fechados, onde as perseguições são terríveis.
A Igreja luta para difundir o Evangelho; atos de culto ou a simples posse de uma Bíblia podem ser punidos com a reclusão em campos de concentração” – explica o relatório. As Bíblias foram embaladas em pacotes com mil cópias e amarradas em balões que são ‘explodidos’ em seguida, em intervalos de tempo pré-estabelecidos.
Outras Bíblias, confiscadas pelo exército – informa a ICC – são comercializadas no mercado negro dentro do próprio país, administrado pelos militares. Devido ao escasso número de cópias em circulação, as Bíblias adquirem um consistente valor, inclusive econômico. Este canal também é “uma forma de difusão da Palavra de Deus” – nota a ICC. Segundo estimativas atuais, existem 440 mil fiéis cristãos na Coreia do Norte – acrescenta a organização -, que também distribuiu mais de 100 mil Bíblias na China. (SP)

Fonte: O Diario

NOTA. A liberdade religiosa não é coisa muito valorizada num país de regime democrático como o nosso, mas é coisa preciosa para quem vive sob perseguição. É assim, não valorizamos aquilo que temos em abundância ou que nunca nos faltou. Muitas vezes percebemos as oportunidades boas somente depois que as perdemos. Ainda neste mundo tem cristãos vivendo sob a pressão e a tirania que imperaram no início da era cristã e em determinadas fases da Idade Média. Oremos por estes irmãos que passam por tal situação e aproveitemos a liberdade que temos para testemunhar e ser cristãos abertamente.

domingo, 4 de dezembro de 2011

Vaticano propõe entidade financeira com competência universal

O Pontifício Conselho do Vaticano “Justiça e Paz”, presidido pelo Cardeal Peter Turkson, propôs a criação de uma autoridade política mundial e um banco central mundial para promover “mercados livres e estáveis, disciplinado por um quadro jurídico adequado”  a atual crise financeira e econômica. 
Conforme explicado pela Congregação do Vaticano, a Autoridade deve ter um “horizonte global” servir “o bem comum”, embora essa autoridade afirme que “não pode ser imposta pela força, mas a expressão de consentimento livre e compartilhada” entre os países. “O exercício de tal autoridade deve ser necessariamente super-partes”, disse o comunicado divulgado pela Rádio Vaticano.
Assim, o Vaticano sublinhou que os governos “não deve servir a autoridade mundial incondicionalmente”, mas ao contrário, essa autoridade  “que deve ser posta ao serviço de todos os países-membros ao abrigo do princípio da subsidiariedade “.
O Vaticano afirmou que o objetivo desta autoridade é “criar mercados eficientes e eficazes que não são protegidos por políticas nacionais paternalista” e “promover uma distribuição eqüitativa da riqueza global” através de “novas formas de solidariedade fiscal global.”
No entanto, o Vaticano afirmou que “ainda há um longo caminho a percorrer antes de criar uma entidade pública com competência universal”, mas ressaltou que vai levar “uma prática anterior do multilateralismo.” Como indicado, a Organização das Nações Unidas seria responsável por criar esta autoridade global.

BANCO CENTRAL GLOBAL
Além disso, a Congregação do Vaticano sublinhou que a economia “precisa de ética para funcionar corretamente”, e também recuperar “o primado do espiritual e ética” e “medidas de tributação das transações financeiras por meio de compartilhamento justo” para contribuir “para a constituição de um estoque global e manter as economias dos países atingidos pela crise.”
Portanto, o Vaticano pediu para proceder à reforma do “sistema monetário internacional” dar vida “a uma forma de controle monetário global” e salientou que o Fundo Monetário Internacional (FMI) “perdeu sua capacidade de garantir estabilidade financeira global. ”
Assim, a Santa Sé afirmou que uma agência é necessária para desempenhar as funções de “um banco central mundial para regular mudanças no sistema monetário” e regular as atividades de “bancos e finanças.”
Explica a nota da Congregação, a comunidade internacional deve criar um órgão legislativo “e regras mínimas compartilhadas” para gerenciar “o mercado financeiro global.”

Fonte: O Diário

NOTA: Apesar de não pedir diretamente para si tal posto, está proposta por parte do Vaticano é antiga. A carta encíclica "Parecem  in Terris", (termo em latim que quer dizer Paz na Terra), escrita em 1963 por João XXIII e que previa uma unificação cada vez maior do mundo. A nota afirma que desde aquela época, se reconhecia o fato de que, na comunidade humana, faltava uma correspondência entre a organização política, 'no plano mundial, e as exigências objetivas do bem comum universal'. Por conseguinte desejava que um dia se pudesse criar 'uma Autoridade pública mundial'. 
Uma autoridade pública mundial é a oportunidade para se manifestar a besta de Apocalipse 13, que imporá ao mundo a adoração a imagem da 1a. besta (aquela que foi ferida de morte mas reviveu). Algo me diz que as profecias estão caminhando rápido! 


Governo do Irã confisca Bíblias e destrói igrejas declarando guerra ao cristianismo

Mais de 6.500 Bíblias foram confiscadas, sites foram fechados e igrejas foram destruídas por autoridades iranianas em uma ofensiva do governo contra o crescimento do cristianismo no país.
Segundo a agência oficial de notícias Mehr, a ação se justifica por que “os missionários cristãos têm feito uma campanha milionária, com publicidade enganosa para que a opinião pública e a juventude se afastem dos ensinamentos do Islã”.
O aiatolá Hadi Jahangosha manifestou sua preocupação com a “expansão do cristianismo entre os jovens”, e culpou os meios eletrônicos de comunicação e a facilidade de acesso a literatura cristão pela expansão: “É responsabilidade de todos os cidadãos do Irã que façam algo sobre isso e cumpram seu papel na difusão do Islã puro, lutando contra as culturas falsas e distorcidas do Ocidente” disse o líder islâmico.
Segundo a agência cristã iraniana Mohabat News, um assessor do comitê de assuntos sociais do Parlamento do Irã confirmou que a maioria das milhares de Bíblias confiscadas veio das cidades de Zanjan e Abhar, Estado de Zanjan.
“O importante neste assunto é que a polícia, os juízes e os líderes religiosos devem estar cientes que os cristãos estão se fortalecendo para enfrentar o Islã, caso contrário, qual o sentido de terem produzido este grande número de Bíblias?” disse um representante do governo sobre as Bíblias confiscadas, que segundo ele “foram produzidas com uma melhor qualidade de papel, em tamanho de livro de bolso.”
Além do confisco de Bíblias o temor dos líderes cristãos no país é de que o governo destrua igrejas no país como aconteceu na cidade de Kerman onde uma das principais igrejas foi destruída por autoridades locais.
Além do confisco de Bíblias, o que preocupa a liderança cristã no país é a destruição de igrejas, como aconteceu na cidade de Kerman, onde uma das principais igrejas da cidade foi destruída por autoridades islâmicas locais. A liderança afirma também que o governo Mahmoud Ahmadinejad está preocupado com o grande número de muçulmanos que estão se convertendo ao cristianismo. Segundo eles o país já tem pelo menos 100.000 cristãos.
Outro alvo de ataque do regime iraniano são os sites em língua persa com conteúdo cristão, entre eles a agência Mohabat News. Muitos sites foram tirados do ar com ataques que sobrecarregam os servidores, um tipo de ataque cibernético, conhecido como DDoS, que está se tornando muito comum para retirar sites do ar.
E o governo não se preocupa em esconder seus atos, o Ministério da Segurança do Irã anuncia ter eliminado uma rede de Internet que, segundo as autoridades, “fazia propaganda antirreligiosa no ciberespaço”. O ministério anunciou também a prisão de várias pessoas envolvidas com esses sites e criou um comitê regulatório para monitorar os usuários de internet no país.
Fonte: Gospel+

NOTA. Acho que ninguém tem mais dúvida que outra guerra está a caminho. Não pela opressão ao cristianismo, mas por todas as ameaças que o governo do Irã tem feito ao ocidente e  aos seus interesses. Com certeza, é mais um passo rumo ao climax do final dos tempos. Assim como a cortina de ferro da ex-URSS teve que cair para permitir a pregação do Evangelho naquela região do mundo, também a barreira que representa o islamismo totalitário deve cair. Vemos que as profecias bíblicas não falham, que o Evangelho será finalmente levado a todos os lugares deste mundo e então virá o fim (Mateus 24:14), ou melhor, uma nova era com Cristo. E como João devemos dizer: Ora vem Senhor Jesus!

quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

Atitude Inusitada!

A norte-americana Ashley Bradshaw, de 25 anos, foi presa no dia 3 de novembro em Hickory, no estado da Carolina do Norte (EUA), no dia de seu aniversário após ser flagrada andando nua pelas ruas da cidade, segundo reportagem do jornal "Hickory Daily Record".
De acordo com a polícia, o incidente foi relatado pelo próprio namorado da jovem, que disse que ela havia deixado sua casa sem nenhuma roupa. Logo depois, outra pessoa ligou para a polícia para avisar que uma mulher estava caminhando nua pelas ruas de Hickory.
Os policiais encontraram Ashley Bradshaw caminhando na 11th Street. Ao ser questionada pelos agentes se estava bem, a garota respondeu: "Sim. É assim que Deus me fez".
Os policiais a levaram a um hospital, onde os médicos a examinaram e disseram que ela estava bem de saúde. Ashley acabou detida acusada de exposição indecente. A Justiça fixou sua fiança em US$ 600.

Fonte: G1 
NOTA. As vezes eu fico pensando nas convenções, formalidades, etiquetas, entre outras coisas relacionadas as quais estamos submetidos constantemente. Onde quer que formos temos que nos trajar de acordo com o que estes ambientes exigem, além de portar documentos, senhas, autorizações, etc... Há alguns lugares, como restaurantes finos, em que é proibido a entrada sem apresentar determinado traje. Sem falar em todos os demais protocolos e exigências impostos pela sociedade atual. Parece um tanto radical a atitude da jovem Ashley, mas pode ser tomado como um grande protesto diante de tanta burocracia para se viver neste mundo. Nossa sociedade tem se tornado a cada dia mais complexa  e exigente, onde temos que, além de cumprir convenções sociais, suprir as expectativas  alheias quanto ao status que devemos manifestar. Não basta ser humano, precisamos nos apresentar com rótulos, marcas, uniformes, entre outras coisas do gênero. Haverá algum dia que poderemos estar um pouco mais livres de tantos artifícios sociais? 


Número de divórcios bate recorde no Brasil

O número de divórcios aumentaram no Brasil em 2010, segundo uma pesquisa divulgada nesta quarta-feira (30) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Em 2010 foram mais de 240 mil divórcios, um aumento de quase 37% em relação ao ano anterior. A maioria dos casais se separou de comum acordo. A média de duração dos casamentos que acabaram foi de 16 anos. De acordo com a Estatística para cada grupo de mil habitantes com mais de 20 anos, foi registrado 1,8 divórcio.
Uma das razões que motivaram o crescente número de divórcios foi a facilidade de formalizar os processos nos cartórios, o que antes era feito somente na Justiça. Já a taxa de casamentos diminuiu. Desde de 2006 o número foi de 6,6 por grupo de 1.000 habitantes de com 15 anos ou mais. Já na década de 70 e 80 este número oscilava em 11 e 13.
A pesquisa do IBGE inclui apenas os casamentos formalizados em cartórios. Uniões consensuais, em que os cônjuges vivem juntos sem papel assinado, não são considerados neste levantamento específico, feito em cartórios.
Fonte: Jornal Hoje/G1

Nota: A tendência secularista de nossa época em desvalorizar as instituições cristãs, tem levado à desvalorização da família e do casamento. Cada vez mais se considera coisa comum o rompimento dos laços matrimoniais. As pessoas já alimentam uma expectativa de que ao menor percalço da vida a dois, a solução é o divórcio. Com isto, quem mais sofrem são os filhos. Este, vítimas de um lar desfeito, carregam revoltas e traumas que irão orientar suas atitudes no futuro para com seus relacionamentos. Talvez aí encontramos parte da razão de haver tanta depressão, suicídio e envolvimento com drogas. A perda dos princípios e valores por parte de nossa sociedade tem dado seus frutos, ainda que o fato seja olvidado por muitos.